Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Conta-me Histórias

' O Homem é sempre um contador de histórias. Vê tudo o que lhe acontece através delas. E, ele tenta viver a sua vida, como se estivesse contando uma. ' (Jean-Paul Sartre)

Conta-me Histórias

' O Homem é sempre um contador de histórias. Vê tudo o que lhe acontece através delas. E, ele tenta viver a sua vida, como se estivesse contando uma. ' (Jean-Paul Sartre)

Por baixo da pele

 

Por baixo da pele não há quem és.
És outro, que não tu, que não quem eu vejo
que não quem diz ser.
Por baixo da pele, a carne não cheira
a impunidade. A sensatez.
E a dignidade, que era robustez,
se desfez
deixando à vista os estilhaços.
Enchumaços d’hipocrisia
que te perfuram a pele e se mostram nus,
mas tu não os vês.
Sentem eles. Aqueles que ferras, sem te dar conta.
- À flor da pele -

 

Há no teu sangue crimes de guerra
que a sociedade enterra, para não ver.
- Será ela quem diz ser? -
Há nos teus ossos destroços
de vidas perdidas
que a sociedade ignora. Foram esquecidas,
para bem da superfície da pele.
Há nos teus órgãos delitos
e conflitos, por divergências
de pigmentação, orientação e religião.

Já me cheira a fel o teu hálito,
por tanto de nós devorado
desrespeitado, assaltado, derrubado e escravizado.
Por baixo da língua, diz-me, quantos em ti morreram?
Cemitério do povo
que engolido e ferido te desceu às entranhas
e te conheceu,
por baixo da pele...

 

Conto-te, nos olhos, o misseis
prontos a disparar, quando finges chorar
por aqueles que às tua lágrimas morreram.
Quando pensaram lavar-se do mal com que lhes tingias o corpo.
Há campos de concentração e de horror
por baixo da pele.
E é já irrespirável, no ar, o fedor
dos gases que expeles,
que sufocam crianças e adultos inocentes,
os deixa inconscientes e, por fim, os mata
à mão de interesses que tatuaste
à superfície da pele.

Sempre que o teu ódio rebenta,
levas contigo dezenas, até centenas.
Verdadeira tormenta para quem só quer paz.
E tu, farto de
bum, bum, bum…
pás, pás, pás…
pum, pum, pum…
Zás,
fazes uso do crânio
e lanças o urânio
que tens debaixo da pele.

Essa, já podre, que a todos nos serve de mortalha.

 

A guerra não cabe numa caixa de sapatos

002.JPG

 

A guerra nunca foi restrita a quem nela combateu. Nunca foi uma realidade com tão pouco tamanho que se pudesse colocar numa caixa, fechar a tampa e arrumar. Como aos sapatos se faz. Aqueles que calças e te testemunham os passos. Os que pisam o chão já por outros pisado, ou por ti desbravado. Aqueles, cujo desgaste das solas é indissociável do desgaste da vida. 

Diz-me meu neto, quantos sapatos tens e quantos trilhos traçaste?
Não mo digas, acaso sejam mais os sapatos guardados do que os quilómetros de vida por ti percorridos.
Nunca o conforto dos pés – em caminhos que não são os nossos - deverá suplantar o conforto da vida. É no desgaste das solas que o Homem se vê.

Desde o começo que a guerra afetou toda a sociedade – mesmo que o sistema o negasse. Primeiro, com o sofrimento da despedida daqueles que, como eu, partiam para África. Depois, com as notícias das primeiras mortes e feridos, que foram uma constante durante os anos que se seguiram.
Na frente de combate não era frequente privarem-nos de ração – que combinava com a nossa nova face primária - armas, munições e fardamento. Contudo, na retaguarda, subia o número de feridos, que se amontoavam nos pequenos hospitais militares, inadaptados e incapazes de suprir as necessidades e os cuidados de que os feridos em combate careciam.
Nascia assim, aquilo a que no seio das Forças Armadas se chamou Exército de Deficientes, que eu suavizo e apelido de Cagulo Bolorento do Exército.

Na verdade, esta linha do exército não parou de aumentar, eram cada vez mais os jovens soldados que, na flor da idade, ficavam cegos, contraíam doenças graves – algumas incuráveis -viam os seus membros amputados, ou que desenvolviam distúrbios do fórum psicológico. Jovens, cuja flor nem tempo teve para murchar, tamanha foi a violência com que viram as suas pétalas arrancadas - Tu não sabes, não tens como saber o que é sofrer uma poda definitiva na vida. Mas esses, os que a sofreram, sabem-no. Neles, jamais a vida se renovou. Tão pouco com a chegada da primavera. 

Também o número de caixões transladados aumentava, privilégio daqueles cujas famílias podiam pagar, posto que os custos da morte não eram suportados nem pelo regime, nem pelas Forças Armadas Portuguesas. Os outros, ou eram enterrados nas zonas de combate, por falta de meios de transporte ou, com mais sorte, viam a sua última morada gravada numa chapa, nos cemitérios organizados pelas forças militares, junto às suas bases operacionais.

Sorte? Dizes tu. Sim, essa força sem propósito, imprevisível e incontornável que desencadeia acontecimentos mais ou menos favoráveis para o indivíduo. Entre morrer vivo e assim continuar - apenas existindo - até ao derradeiro fechar de olhos, e entre ser enterrado no mato, que se morra definitivamente - e de uma só vez - e se seja enterrado condignamente.


Os deficientes da guerra sempre constituíram a face mais visível e transparente dos confrontos, aquela que, ainda hoje, a sociedade mais dificuldade tem em encarar. 
Na época, considerados “inválidos”, estes homens foram um pesado fardo para as famílias que se viram obrigadas a esconde-los, como se de impostores se tratasse. Enquanto os hospitais militares foram o refúgio para tantos outros. Tudo porque, oficialmente, Portugal não se encontrava em guerra e a aparição em praça pública de corpos amputados, homens em cadeiras de rodas, cegos ou transparecendo distúrbios vários, poderiam levantar interrogações incómodas para o regime, a respeito do que que era, afinal, a realidade nas colónias de África. 

 

Um regime, cujos passos eram incontestáveis, mas que não mostrava as solas. Um regime, cujos sapatos, à medida que pisavam terreno pantanoso, eram de imediato substituídos. Um regime que fechava em caixas as vidas que pela pátria eram dadas. Muitas delas detonadas, por minas que se ativavam na sequência de um passo em frente – alguns dirão em falso - daqueles que em nome de Portugal combateram.

Pensa agora meu neto, quantos são os sapatos que tens e qual a sua história?

Mais sobre mim

imagem de perfil

Posts mais comentados

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D