Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Conta-me Histórias

' O Homem é sempre um contador de histórias. Vê tudo o que lhe acontece através delas. E, ele tenta viver a sua vida, como se estivesse contando uma. ' (Jean-Paul Sartre)

Conta-me Histórias

' O Homem é sempre um contador de histórias. Vê tudo o que lhe acontece através delas. E, ele tenta viver a sua vida, como se estivesse contando uma. ' (Jean-Paul Sartre)

Combóio fantasma

 

IMG_2650.JPG

 

 

Ao meu lado um lugar vazio. Existia sempre um lugar vago, frívolo, carente ou frustrado.
Um homem de fato fingido. Um rosto bem feito de saudade. Uma lacuna de oito centímetros entre um salto alto e um queixo rebaixado. Um olhar translúcido e hiato que me fitava disfarçadamente.

 

Uma carruagem lotada num comboio que parou. Uma avaria que fazia antever um atraso de vinte minutos, mas que o acelerou. Contraditório? Talvez. Consistente, porém, o contraste entre o elevar das vozes e os sofridos nós nas gargantas.
Respirava-se sofregamente, bufando palavras de desagrado, que se traduziam nas mais variadas frustrações diárias.
Uma revista caiu. Estendeu-se uma mão, que vi desaparecer entre as páginas despidas de vida. Um chapéu voou, na procura pela liberdade de pensamento. E aqueles óculos diante de mim, flutuando no ar, da direita para a esquerda, da esquerda para a direita, nervosamente inquietos? Procurariam olhos capazes de ver (através deles)? O choro de uma criança que percebi, não reconhecia o batom da mãe que, num vermelho escarlate, lhe gritava o atraso. E ao fundo à esquerda, ora de fronte para mim, ora enfrentando a realidade, uma gravata azul escura, bem apertada, que depressa entendi ser a forca de um farda desgastada.

 

Ouvi o barulho do meu silêncio ocupar a carruagem nos quinze minutos que se seguiram à observação atenta. Ainda me restava um quarto de hora e o mundo parado. Tempo individual e necessário à reflexão, do qual não abdicaria.

Ao meu lado um lugar vazio. Adiante, um lugar vazio. Atrás, um novo lugar vazio. Uma criança, cinquenta e sete ninguéns e um pronto-a-vestir a bordo.

 

O revisor anunciou “Senhores passageiros, a avaria encontra-se reparada. Previsão de chegada ao destino às oito horas e cinquenta e oito minutos”.
O comboio avançava e cinquenta e oito era, também, o número exato de vidas que continuariam por consertar. Afinal, nem eu havia compreendido, até ao momento, que o lugar à noite vazio ao meu lado eras tu quem o ocupava.

Desencontros

 

 

 

Todos os dias se cruzavam. 

Carlos desenvolvera o hábito de o observar atentamente. As suas aparições diárias eram já inquestionáveis. Sabê-lo no autocarro das 07h15, era como saber-se a si, no mesmo autocarro, sentado de perna largamente cruzada, olhar pensativo, duas rugas de expressão vincadas a meio de um palmo de testa sisuda, a rigidez da sua face a denunciar algumas semanas de sorriso ausente e as mãos, inquietas, a transparecer o bulício interior.

Desciam, de segunda a sexta-feira, três paragens adiante à Grande Avenida, numa transversal à Rua do Passo. E de passo apressado percorriam a calçada, ainda escorregadia, sob o orvalho frio da manhã. Sem demora, o elevador abria as suas portas, na chegada ao terceiro piso de um edifício composto por linhas modernamente descontentes. Altura em que os dois homens se separavam.

Carlos fora recentemente eleito diretor de informação da revista para a qual trabalhava havia vários anos. Profissional dedicado e competente, dono de uma visão generalista, espírito lato e ímpar nas suas abordagens e desenvolvimento de novos projetos. Desde então, passara a despender demasiado tempo sentado àquela secretária. Os seus olhos, outrora abertos para o mundo, alternavam agora entre uma pilha de papéis à esquerda, a tela do computador ao centro, seguida do ressoar constante do telemóvel, da agenda que percorria de trás para diante e de uma nova pilha de papéis à sua direita.
Chegava ao nascer do sol e saía com a lua já alta no céu.

Todas as noites se cruzavam e Carlos desenvolvera o hábito de o observar atentamente - excepto naquela noite fria e chuvosa. Envolto pela névoa que se abatia sobre as ruas e sobre o seu semblante fechado, sentiu a falta de um rosto familiar, cuja presença, assumira ser já uma constante nos seus dias.


Carlos retirou, demoradamente, a mão esquerda do bolso do sobretudo para verificar o relógio. Não conduzia fazia três meses. Pediu um táxi. Meia noite e quarenta e cinco; um corpo cansado no banco traseiro. Um rosto vago, tão vazio quanto as ruas àquela hora.

Rodou a chave na fechadura, a porta deslizou e os seus pés seguiram-na de imediato. Trancou-a e percorreu o corredor em passos mudos, na direção do quarto; pousou a pasta, sentou-se na cama e descalçou os sapatos. Ao seu lado um rosto, a quem, por se sentir observado, devolveu a atenção.
Era Carlos quem no espelho se olhava sem se reconhecer. Do lado oposto, uns olhos familiares. Aqueles com quem se cruzava todos os dias. Os mesmos que via refletidos no vidro do autocarro, nas montras das lojas, nas portas dos prédios e no interior de um elevador espelhado. O seu rosto, agora diante de si. 

 

Desencontrados.

A melhor arma contra o ódio é o meu amor por ti

                        Imagem real. Cessar-fogo em Allepo, Síria. 22 de Outro de 2016

 

 

 

Troco todos os disparos pelo bater do teu coração. Troco o caos pelo sossego do teu peito e qualquer uma das minhas missões por uma só missão: fazer-te feliz.
Troco a guerra pela nossa paz e os meus gritos por sussurros ao teu ouvido. Troco a minha força bruta pelo sabor do toque suave na tua pele e pelo teu toque delicado, na minha.
Troco o desespero de milhares de mulheres e crianças, pela oportunide de poder fazer uma só mulher feliz, a minha mulher.

Troco o cenário de morte entre inocentes, culpados e inimigos, pela emoção de poder vir a assistir ao nascimento de um filho.
As noites mal dormidas em que acordo em sobressalto, troco-as por noites mal dormidas a dois. Os pesadelos pelos sonhos. O cenário de guerra e destruição, pelo erguer de uma casa - a nossa casa - crianças a correr, um cão a ladrar e nós abraçados a sorrir, perante tudo aquilo que juntos construímos e ao mundo trouxemos.
Troco os bombardeamentos aéreos pela beleza de um céu estrelado e pelo sorriso da lua ao teu lado.

 

Que seque a sede de vingança, estou sedento de te amar!

 
A arma, troco-a por um anel, a minha farda pelo teu vestido branco, no cantil já nascem flores de esperança e no meu rosto, outrora sisudo, um sorriso rasgado. Só o coração continua acelarado. 
Troco o necessário por uma felicidade capaz de reerguer toda esta cidade em ruínas - capacidade e poder que só o amor encerra.

Também já eu assim me senti, em ruínas, durante o tempo em que aqui não estiveste e sempre que fui eu quem não esteve aí. Quando pensei que o melhor para nós seria a separação. O teu mundo e o meu não combinavam, ou assim pensei ser. O teu sempre me cativou de tão belo e simples, delicado mas forte, repleto de sonhos e objetivos concretos, de pequenas coisas que aprendi a amar. O meu... do meu nem falemos.
Mas tu ficaste. Viste algo mais para além de um soldado, de uma farda, de uma mente formatada para ver em cada esquina um inimigo e dúvidar até da própria sombra. Graças a isso, o meu mundo agora é o teu. O nosso mundo.

Abdico de tudo pelo privilégio de viver o resto da minha vida ao teu lado. E ter-te do meu.
Quero que saibas que se um dia te considerei o meu ponto fraco, hoje sei-te o meu ponto forte. O melhor de mim.

Anda, vem comigo, há um lugar fantástico que só agora descobri. Um lugar onde só tu me soubeste levar, um lugar onde só tu soubeste chegar e onde pretendo que fiques.
Anda, vem comigo. O meu coração é já aqui.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D