Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Conta-me Histórias

' O Homem é sempre um contador de histórias. Vê tudo o que lhe acontece através delas. E, ele tenta viver a sua vida, como se estivesse contando uma. ' (Jean-Paul Sartre)

Conta-me Histórias

' O Homem é sempre um contador de histórias. Vê tudo o que lhe acontece através delas. E, ele tenta viver a sua vida, como se estivesse contando uma. ' (Jean-Paul Sartre)

O artesão de poemas

 

O meu avô Alberto era artesão. E poeta. Tinha sonhos nas mãos, mas não sabia escrever. Utilizava, por isso, matéria bruta e retirava da vida a inspiração necessária para cada nova criação.

Era eu ainda criança quando o vi, pela primeira vez, abraçar um tronco de madeira, trazido pelo lenhador lá da aldeia, o senhor Carvalho – coincidência ou presságio à nascença, visto não lhe serem conhecidos antepassados com o mesmo desígnio.

«Alberto, este é íntegro o suficiente para ti. Não merece a morte pelas cinzas. Dá-lhe vida, ancião.»

E o meu avô segurou cuidadosamente nos braços aquilo que, para mim, não era mais do que um pedaço de madeira grande e pesado. Os seus olhos fixaram-no, ternurentos, como quando olhavam para mim. Tive a sensação de que embalava uma criança. C’os diabos, que imaginação a minha, aquilo era só um tronco morto e sem vida.

«Entenderás a seu tempo a poesia da vida, meu rapaz.»

Pousou o tronco e afagou-lhe o dorso, suavemente, como quem desperta os sonhos das mãos.

«Não te sinto o coração velho madeiro. Mas dar-te-ei o meu.»

E foi assim que vi nascer o que na altura não entendia - A poesia, esculpida pelas mãos do meu avô.

«Clarice. Clarice, a tua avó meu rapaz.»

O meu avô Alberto era artesão. E poeta. Tinha sonhos nas mãos, mas não sabia escrever. Esculpiu os mais bonitos poemas, entre os quais a minha avó, que nunca cheguei a conhecer.
O meu avô Alberto não sabia ler, mas sentia. E sentir foi o que fez dele o maior poeta da nossa aldeia e o maior mestre artesão da história daquele lugarejo.

«A poesia não são palavras que rimam meu rapaz. São palavras que se sentem. Eu e a tua avó fomos poesia e os nossos nomes não rimavam.»

 

Desenganem-se aqueles que no papel, esculpem versos pomposos sem os sentir realmente por dentro.

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D